Compartilhar ai vai!

Utopia: Bolsonaro sendo eleito presidente todo cidadão de bem vai ter direito a posse de arma?


O deputado federal Jair Messias Bolsonaro (PSC-RJ) anda pregando por ai, que se for eleito presidente do Brasil em 2018 vai anular o Estatuto do  Desarmamento, permitindo que todo cidadão de bem possa ter o direito a posse ou porte de arma para a sua legitima defesa contra os criminosos. Essa ideia é positiva,  mas não passa de utopia e engano de Bolsonaro transmitida a milhões de brasileiros desprovidos de conhecimento,  que acredita nessa falsa modéstia.

Em 2015,  Bolsonaro (PSC) esteve em Belo Horizonte para participar de uma audiência pública que discutiu as mudanças no Estatuto do Desarmamento na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). Além dele, estiveram presentes outros deputados federais da Comissão Especial que discute a proposta do deputado Rogério Peninha (PMDB/SC), que prevê normas mais razoáveis quanto a compra, posse e porte de armas de fogo no Brasil, porém os pobres, os que que tem trabalho e recebem até 3 salário minimo não terão condições de comprar uma arma de fogo legal. Logo estão fora do discurso demagogo de Bolsonaro.

 Ele está cada vez mais empenhado para concorrer à Presidência da República em 2018. Já esteve fazendo campanha aberta até em Campina Grande na Paraíba, quase dois anos antes do prazo permitido por lei, o que é totalmente ilegal e pode o prejudicar-lo no ano político.

Porém, mesmo assim ele anda fazendo viagens pelo país todo para divulgar sua pré-campanha, promovendo encontros, passeatas e outros eventos para reunir o seu público, que em sua maioria são jovens reacionários.

O seu partido, o PSC (Partido Social Cristão), na última eleição para presidência lançou o nome do pastor Everaldo, que ficou em 5º lugar.

Mesmo o partido sendo da base aliada do governo Temer e ter um discurso totalmente conservador, muitos membros têm resistência em lançar o nome de Jair Messias Bolsonaro como candidato à Presidência da República em 2018, por causa do seu discurso extremista e muitas vezes, considerado bem preconceituoso pelos asseclas do PT e partidos de  direita e esquerda perna de jumento.

Então, o deputado resolveu romper com o presidente do PSC, pastor Everaldo Pereira, e declarar publicamente que iria procurar algum outro partido para lançar sua candidatura, paartidos nanicos pois as grandes legendas sempre corre para o mar de dinheiro, ou lança candidatos cacarecos sópara gerá o 2º turno.

Mas voltando a posse e porte de arma, Bolsonaro, como já era esperado, se mostrou favorável ao projeto. "Eu entendo que o cidadão armado é a primeira linha de defesa de um país que quer ser democrático. Tem que abrir para o maior número de pessoas ter o porte de armas", defendeu.

Bolsonaro deveria falar a verdade com os seus asseclas assalariados que acham que poderão comprar uma arma de fogo sendo ele eleito. Só se for uma arma ilegal, comprada a um bandido que vai roubar da elite pra vender barato ao pobre.

Vejo o deputado como uma voz roca clamando no deserto, prometendo tudo sabendo que não pode fazer nada, em especial no tocante ao Brasileiro ter direito a ter uma arma de fogo pra combater os bandidos. Bem sei que o presidente desta Nação até que pode mudar  o Estatuto do desarmamento, mas só quem vai ter direito de ter uma arma de fogo lega em sua casa é a elite. Pobre  sofre pra comprar um facão, foice ou "espingarda sovaqueira", imagina comprar uma arma de fogo, que no mercado legal custa mais de R$ 4 mil. Uma arma roubada, ou quelas que entra  ilegalmente nas fronteiras do nosso País, custa menos, mas só quem usa são os bandidos.

O nobre deputado é um profeta desarmado, como reza Maquiavel, tem discurso, admiradores, um bom nome como o Tiririca, mas não tem o principal, um partido pra chamar de seu e dinheiro pra comprar o apoio de outros partidos e lideranças em todo País. Ele tem muita boa vontade, mas se não tiver domínio de um ou vários partidos, não será candidato a presidente, pois até o seu atual partido, o PSC, não tem intenção de lançar-lo como candidato à presidência em 2018.

Defendo Pena de Morte e posse e porte de armas para os brasileiros, mas o preço das armas não dá condição de um pobre ter um revolver 38, e Pena de Morte só teria vlor se fosse para penalizar bandidos ricos e pobres, mas no Brasil, os bandidos de gravatas e quem tem muito dinheiro faz as nossas leis virá papel higiênico.

Veja o vídeo: 





Blog do Gari Martins da Cachoeira 




Nenhum comentário

Aviso: Os comentários serão moderados...

Tecnologia do Blogger.