O Brasil e os Agentes do Poder


Por Ronaldo Fontes

A vida em sociedade abriga uma tendência comportamental sedimentada na obediência, pois sem alguma estrutura de autoridade é impossível haver uma sociedade organizada.

Alguns estudiosos contudo, entendem que a obediência possa sobrepujar a ética, a moral e a solidariedade, bases da convivência harmônica em sociedade.

Milgram, pesquisador da Universidade de Yale, realizou experimento com voluntários que descarregavam choques elétricos fictícios cada vez mais fortes em um ator(aluno) que oculto esbravejava e gritava ao levar os “choques” a cada pergunta que deliberadamente respondia errado.

O pesquisador verificou que o sofrimento fictício, manifestado pelo “aluno”, pressionava os voluntários “professores” a desistirem, porém o pesquisador os mandava prosseguir.

2/3 dos “professores” participantes foram obedientes em provocar sofrimento, diante da ordem do pesquisador, que interpretou seus resultados:

1- A maioria das pessoas possuem instintos agressivos.

2- Pessoas que possuem controle total sobre outra utilizam tudo o que tem de sádico e bestial para oprimi-la.

3- A legitimidade social abre portas para a possibilidade de um poder agressivo.

4- Um número pequeno de pessoas possui recursos internos que lhes permite resistir à autoridade despótica.

5- A pessoa se sente responsável perante a autoridade que a dirige, mas nenhuma responsabilidade pelo que a autoridade exige.

6- Em tais situações, nas quais a pessoa não se considera responsável por suas ações, pois está executando desejos de outra, ela é denominada de “AGENTE DE PODER”

Esses Agentes de Poder existem no exército, nas empresas, nos hospitais, nas escolas, universidades e principalmente na política, etc... Geralmente possuem uma boa vida, galgam muitos postos elegantes e distintos, são ricos e dormem muito bem, acreditando estarem realizando o trabalho em seu benefício e de sua família.

Contudo, a cobrança virá e estamos vendo isso no Brasil atual, pois o sofrimento pode ser promovido de várias formas não necessariamente com choques elétricos. A traição à pátria e ao povo é uma forma de provocar sofrimento coletivo.

Um pouco de estudo é suficiente para reconhecer quem são os "pesquisadores" e quais seus interesses.

Não é muito difícil reconhecê-los, com boa vontade e pró-atividade estará resolvido, pois os Agentes de Poder, seus lacaios, estão estampados nas páginas policiais. E muitos outros ainda virão quando a Lava–Jato se capilarizar em esguichos nos quintais.


*Ronaldo Fontes, Médico, é Presidente do Instituto Foro do Brasil.





Fonte: Alerta Total





Nenhum comentário

Aviso: Os comentários serão moderados...

Tecnologia do Blogger.