Compartilhar ai vai!

Poder de compra já é maior e pior da crise passou, diz Meirelles."Só se for na casa dele!"




A queda da inflação registrada nos últimos meses já levou a um aumento do poder compra dos brasileiros, disse ontem o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. "A inflação que até um ano atrás era próxima de 10% ao ano, [no acumulado de] 12 meses até abril agora fechou em abril, [no acumulado de] 12 meses em 4,08%, abaixo da meta", disse Meirelles. "Isso faz com que o poder de compra das pessoas aumente. Já aumentou cerca de 3% porque a inflação cai e o salário tem maior poder de compra."

As declarações foram feitas na tarde de ontem a jornalistas após uma palestra a empresários, executivos e políticos em um evento chamado de Conexão Empresarial, ligado ao Lide Empresarial, ocorrido à tarde em Nova Lima, região metropolitana de Belo Horizonte.

Meirelles citou a queda dos preços como um dos resultados das medidas que o governo de Michel Temer (PMDB) vem adotando com o intuito de reequilibrar contas públicas e dinamizar a economia. Incluiu entre as medidas uma série de iniciativas, pontuais e estruturais, entre elas a reforma da Previdência, que o Planalto espera que seja votada até o fim do mês no plenário da Câmara Federal.

Meirelles procurou apresentar um balanço positivo e reforçar a ideia de que o país já superou o pior da crise econômica, apesar de conviver ainda com um de seus mais persistentes e duros efeitos: o desemprego. O país vive um pico histórico de desemprego, com mais de 14 milhões de pessoas nas estatísticas. Mas em abril, pela primeira vez em mais de dois anos, houve mais vagas de trabalho abertas do que fechadas.

"No mês de abril, o desemprego já caiu um pouquinho. Com o tempo isso vai ser cada vez mais percebido", disse. "Nós acreditamos que em cerca de dois anos nós vamos ter índices de desemprego se aproximando daquilo que tivemos nos últimos anos."

Em sua apresentação, Henrique Meirelles, pinçou uma das medidas defendidas pelo Planalto para, segundo o ministro, ajudar a melhorar o nível de produção. Tratam-se de novas regras em estudo na chama Lei da Migração para facilitar e incentivar a vinda para o Brasil de profissionais estrangeiros com alta qualificação.

É uma fórmula, afirmou o ministro, bastante usada por "economias mais dinâmicas". "Principalmente países como Austrália, Canadá, Cingapura já têm programas de atração de mão de obra de alta qualidade há muitos anos. Então nós vamos entrar nessa fase." Ele não deu mais detalhes sobre como estão as discussões dessas medidas no governo.

Aos jornalistas, Meirelles também falou da ideia cogitada pelo governo e noticiada pelo Valor no início da semana de dobrar para R$ 4.000 a faixa de renda que passaria a ser isenta de Imposto de Renda. Seria uma forma de atenuar críticas às reformas da Previdência e trabalhista.

Embora o presidente Michel Temer tenha admitido anteontem que a ideia seja cogitada, o ministro descartou que o tema esteja na pauta. "Isso não está em discussão no momento. Foram, de fato, ideias ventiladas. O presidente mencionou isso em uma circunstância", disse. Ele admitiu que isso seria positivo para uma parcela da população. "Por outro lado, precisa ver o custo disso para a economia, para a sociedade". E insistiu: "No momento não há um plano concreto de se fazer nada [a respeito disso]."





Por Marcos de Moura e Souza | Valor Econômico

Nenhum comentário

Aviso: Os comentários serão moderados...

Tecnologia do Blogger.