Grato por sua visita!

Crime virtual: "Tive minha honra de volta", diz universitária vítima de boato na web

Rapaz inventou que teve relações sexuais com jovem, causando vários problemas a ela

Indo contra o pensamento comum de que a internet é “terra de ninguém”, um jovem capixaba foi obrigado pela Justiça a se retratar publicamente no Facebook após espalhar boatos de que teve relações sexuais com uma universitária. Para manter a mentira, Lázaro Dias chegou a criar falsas conversas com a vítima e compartilhar com amigos no WhatsApp.

De acordo com a vítima, a universitária Izabela Stelzer, 22 anos, ela sequer conhecia o autor dos boatos. Porém, eles tinham amigos em comum.

“Eu já o vi porque meu namorado tem amigos em comum com ele. Mas nunca nos falamos. Fui surpreendida com o boato em meados de 2016, quando amigos do meu namorado mostraram a ele os prints dessa falsa conversa, onde ele fingia ser eu, marcando ir ao motel com ele.”

A conversa montada por Lázaro se espalhou e causou constrangimentos à vítima, sua família e namorado. O pai da universitária ligou para o jovem, pedindo que Lázaro desmentisse a história. Mas ele fingiu não saber do que se tratava.

“Só então decidi procurar a polícia. Prestei queixa na Delegacia de Crimes Eletrônicos por injúria na internet e o processo começou. Fizeram busca e apreensão na casa dele e levaram o celular e o notebook. Ele prestou depoimento e confessou a mentira na delegacia”, lembrou.

O inquérito policial foi encaminhado à Justiça e, na última segunda-feira, uma audiência de conciliação determinou que Lázaro deveria publicar um texto em seus perfis do Facebook e Instagram admitindo que mentiu. No Facebook, o texto deve ficar no modo “público” por tempo indeterminado. Já no Instagram, a publicação deve ficar ativa por 60 dias, sendo 30 dias com o perfil do acusado aberto ao público.

No texto, que foi sugerido pelo advogado de Izabela, Augusto Silveira Luppi Goldner, Lázaro admite que nunca teve qualquer relação com a moça. A vítima não pediu indenização por danos morais, já que o intuito era apenas que o boato fosse desmentido publicamente.

A publicação de Lázaro, que foi compartilhada pela vítima, tinha, juntando os dois perfis, mais de 30 mil curtidas e mais de 6 mil compartilhamentos. A notícia se espalhou por sites de todo o Brasil.

Procurado, Lázaro não quis dar entrevista e disse que tudo que tinha para falar está no texto do Facebook. Já a vítima, comemorou, aliviada. “Tive minha honra de volta. A justiça tarda, mas não falha.”

O que ele disse

“Eu, LAZARO NASCENTES DIAS, em meados de maio/2016, afirmei para meus amigos que havia saído e tido relacionamen-to íntimo com IZABELA STELZER PAGIOLA. Escla-reço, nesta oportunidade, assim como declarei na superintendência técnica da Polícia Civil e nos autos da queixa-crime nº 0017732-64.2016.8.08.0024, que nunca tive qualquer relação, íntima ou não, com a sra. IZABELA e que tudo não passou de minha invenção. Utilizo esse espaço para me retratar publicamente e pedir desculpas a todos os envolvidos que se sentiram ofendidos pelos transtornos criados pela mentira que inventei, principalmente a ela, que foi diretamente atingida em sua honra, bem como, sua família e seu namorado.”

Lázaro Dias, em mensagem no Facebook

Entrevista - Izabela Stelzer (universitária)

“É o tipo de homem que acha que pode fazer tudo o que quer”


Izabela Stelzer se mostrou aliviada após o assunto ser esclarecido
Izabela Stelzer se mostrou aliviada após o assunto ser esclarecido
Foto: Reprodução/Facebook
Aliviada após ver Lázaro Dias se retratar publicamente na internet, a universitária Izabela Stelzer, 22, acredita que foi vítima de machismo. Agora, ela só quer esquecer os transtornos que enfrentou por causa do boato inventando por ele.

Por que acha que ele te escolheu para montar a falsa conversa?

Não faço ideia. O conhecia de vista porque temos amigos em comum. Mas não sei por que justo comigo. Ele tinha namorada. Nada disso faz sentido pra mim. Li outras meninas dizendo que também foram vítimas.

Acha que ele pensou que não daria em nada?

Sim. É o tipo de homem que acha que pode fazer tudo o que quer e não vai dar em nada. Fui vítima de machismo. Não entendo o que passa na cabeça dele. Acho que ele quis se vangloriar e se autoafirmar com amigos me usando em uma mentira absurda.

Como foi enfrentar essa mentira?

Esse cara entrou na minha vida como um pesadelo, gerando para mim e para minha família uma dor inexplicável. Ver pessoas próximas a mim acreditando nessa mentira calculada e me julgando foi horrível. Mas, com o apoio da minha família, namorado e amigos conseguimos provar a verdade.

Como foi ficar de frente para ele segunda-feira?

Constrangedor. Fiquei muito nervosa. Ele nem teve coragem de me olhar nos olhos. Abri mão do processo civil porque não quero dinheiro, só queria que ele falasse a verdade. Agora, com minha honra de volta, quero virar essa página. E que sirva de lição para quem acha que pode inventar boatos na internet.


Para advogado, internet expõe desrespeito ao outro

A sensação de que “ninguém saberá” passada pela internet é o que colabora para que crimes como o que Lázaro Dias cometeu contra Izabela Stelzer ocorram, segundo observa o advogado criminalista Rodrigo Horta.

“O fato de o autor estar atrás da tela de um computador ou de uma tela de celular faz com que ele acredite que não haverá punição ou que não está fazendo nada errado. Porém ele deixa um rastro que pode levar à descoberta do autor”, descreve o advogado.

Horta também pontua que a rede – e os aplicativos que dependem da internet para funcionarem – acaba sendo usada para o desrespeito. “A internet expõe a ausência de respeito ao próximo, pois o cidadão acha que não vai atingir o outro”, comenta.

O advogado chamou a atenção para o fato de que situações como essas não são mentiras apenas, mas sim crimes. “Além de responder criminalmente, a pessoa que faz calúnia, difamação ou injúria nas redes sociais, pode ser processada também na esfera do Direito Civil e ser obrigada a reparar os danos morais que provocou à vítima. Uma forma de reparação é o pagamento de indenização determinado pela Justiça”, descreve Rodrigo Horta.

Análise: mentira pode se tornar compulsão

Existe a mentira social e a mentira compulsiva. Quando a pessoa começa a mentir repetidamente, sobre aspectos diferentes da vida é considerado um comportamento compulsivo. A pessoa pode mentir pra se sentir pertencente a um grupo, se vangloriar ou compensar alguma dificuldade que ela tem. Por exemplo, uma pessoa que tem dificuldades de se relacionar pode mentir sobre relações que não teve para ser socialmente aceito. Em geral, nesses casos, as pessoas em volta perdem a confiança e o mentiroso cai em descrédito. Quando a mentira vira compulsão é necessário tratamento, que pode ser feito com medicação e terapia. O mais difícil é o próprio mentiroso se conscientizar e pedir ajuda.

Adriana Salezze, psicóloga e terapeuta familiar

Lázaro criou falsas conversas com a vítima e compartilhou com amigos
Lázaro criou falsas conversas com a vítima e compartilhou com amigos. Foto: Reprodução / Facebook

Fonte: Gazeta Online 



Nenhum comentário

Aviso: Os comentários serão moderados...

Tecnologia do Blogger.