30 de set de 2016

Tribunal de Justiça autoriza a venda de bebidas alcoólicas no dia da eleição


O Tribunal de Justiça da Paraíba derrubou, nesta sexta-feira (30/09), a portaria publicada pela Secretaria de Estado da Segurança e da Defesa Social do Estado que proibia a comercialização de bebidas alcoólicas no dia das eleições, em todas as cidades paraibanas, entre as 06h00 e as 18h00.

A medida cautelar, com pedido de liminar, foi apreciada pelo desembargador Frederico Martinho da Nóbrega Coutinho (Fred Coutinho), e movida pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), regional Paraíba.

A entidade que representa os donos de bares e restaurantes argumenta na petição que não existe base constitucional – nem legal – na decisão do titular da SSP.

“Defiro a medida liminar no sentido de autorizar à parte impetrante (Abrasel), o direito de comercializar a venda de bebidas alcoólicas nos dias 2 e 30 de outubro do corrente ano, caso haja segundo turno”, sublinha a decisão do desembargador.



Fonte: Paraíba online

Moro decreta prisão preventiva de Palocci



O ex-ministro Antonio Palocci e seu assessor Branislav Kontic tiveram prisão temporária convertida em prisão preventiva, por tempo indeterminado, pelo juiz Sérgio Moro. Os dois estão desde a última segunda-feira na sede da Polícia Federal em Curitiba, quando foram presos na 35ª Fase da Lava-Jato, a Operação Omertá.

O MPF afirmou ainda que há provas de que Palocci recebeu R$ 32,7 milhões em dinheiro em espécie, com entregas que relacionam a planilha “Italiano”, da empreiteira Odebrecht. Os procuradores dividiram as entregas em três lotes: R$ 16,2 milhões, divididos em 17 entregas de recursos em espécie entre julho e setembro de 2010; R$ 15 milhões em nove entregas entre outubro e novembro do mesmo ano e R$ 1,5 milhão vinculado a pessoa identificada pelo codinome “Menino da Floresta” na planilha da empreiteira.Moro decidiu pela preventiva depois que o Ministério Público Federal (MPF) afirmou que desktops foram retirados da sede da empresa de Palocci, a Projeto, e que o fato é indicativo de que Palocci e Kontic ocultaram elementos úteis à investigação. Quando os policiais federais chegaram, encontraram as mesas apenas com monitores, móveis e teclados. Os fios dos desktops estavam desconectados. Ouvido pela PF, Kontic teria dito que os desktops foram retirados por serem antigos, mas os procuradores argumentaram que as imagens registradas pela PF indicam que os equipamentos eram "bastante novos e em ótimo estado".

Além disso, ao confrontar a planilha "Italiano" com extratos da conta ShellBill, que pertence ao marqueteiro do PT João Santana e à mulher dele, Mônica Moura, o MPF diz ter sido possível identificar depósitos de US$ 11,7 milhões feitos pela Odebrecht por meio da offshore Innovation Research entre julho de 2011 a maio de 2012.

Ao pedir a prisão preventiva, o delegado Hille Pace também havia reforçado, num documento de 86 páginas, as suspeitas de que Palocci fazia a ligação entre o PT e a empreiteira Odebrecht, intermediando assuntos de interesse da empreiteira. Segundo as investigações, o valor alcançaria R$ 128 milhões. Nesta semana, o Banco Central bloqueou, a pedido de Sergio Moro, quase R$ 31 milhões das contas pessoal e da empresa de Palocci.





Não há necessidade 'neste momento' de aumentar impostos, diz Meirelles


O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta quinta-feira (29) que não há necessidade de aumento de impostos neste ano, ainda que a arrecadação do governo siga em queda.
“Neste ano, não se configura necessidade de aumento de impostos. Todas as projeções que estamos fazendo no relatório bimestral da evolução das contas públicas mostra que não se configura a necessidade de aumento de impostos, e essa queda de arrecadação estava prevista nas nossas projeções", afirmou o ministro.
Para 2017, Meirelles também apontou que não há previsão de aumento de impostos, acrescentando que há expectativa de aumento de arrecadação do governo pela retomada da atividade econômica e por receita vinda de privatizações e concessões.
“A princípio, no Orçamento de 2017 não contemplamos neste momento a necessidade de aumento de impostos. Existe sim uma necessidade de aumento da arrecadação total e acreditamos que uma parte dela virá do crescimento do PIB, e também existe receita de privatizações, concessões.
 
Números divulgados pela Secretaria da Receita Federal nesta quinta mostram que a arrecadação de impostos e contribuições federais não só continuou a cair em agosto, mas que o recuo dos valores arrecadados se intensificou.
A arrecadação caiu 10% e registrou o pior agosto em 7 anos. A arrecadação federal somou R$ 91,8 bilhões, queda real (descontada a inflação) de 10,12% em relação ao mesmo mês de 2015.
Meirelles afirmou que que a queda na arrecadação já era esperada, e acrescentou que o resultado “mostra a necessidade de fazer o ajuste” proposto pelo governo.
“É uma tendência histórica já comprovada de que quando o PIB está aumentando, a arrecadação cresce mais ainda. Quando o PIB está caindo, a arrecadação cai mais. O que nós estamos vendo agora é o resultado dessa recessão profunda em que o Brasil entrou já no final de 2014. Isso mostra a necessidade de fazer o ajuste que nós estamos propondo”, afirmou.
Retomada da confiança
O ministro disse que melhora dos índices de confiança e perspectivas para a economia não deve ser entendida como solução para a atual crise brasileira. “Temos passado a mensagem de que esta retomada da confiança  e melhora gradativa das perspectivas não devem fazer com que se passe a se achar que o problema está resolvido. Existe uma antecipação das mudanças, mas essas mudanças precisam ser concretizadas”, afirmou.

“Vamos trabalhar, porque o caminho está traçado”, disse Meirelles, que particiou de evento com empresários em São Paulo. “É o momento do ajuste, e essa é a boa notícia.”
'Não há muito o que ceder'
Meirelles disse que há boas perspectivas de aprovação pelo Congresso de medidas de ajuste econômico propostas pelo governo, especialmente a limitação da evolução dos gastos públicos pela inflação.

“É uma proposta que estamos hoje bastante confiantes de que será aprovada. Tivemos a reunião na segunda-feira e estavam lá grande parte dos líderes partidários no Palácio da Alvorada. O resultado foi bastante positivo”, afirmou.
O ministro afirmou que a expectativa é que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que limita o crescimento dos gastos seja aprovada ainda neste ano pelo Congresso. Perguntado sobre o quanto o governo estaria disposto a "ceder" para que a proposta seja aprovada, Meirelles respondeu que "não há muito o que ceder". "A PEC é muito simples e muito objetiva. Ela não há muito o que ceder", disse.
Teto dos gastos (Foto: g1)














































Previdência
Meirelles também voltou a defender a necessidade de uma reforma na Previdência, afirmando que a carga tributária “teria que aumentar 10% nos próximos anos só para bancar o aumento do déficit da Previdência”.

 
O ministro relatou uma viagem que fez à Alemanha para ilustrar a defesa da reforma do sistema de aposentadorias brasileiro. “Era a época em que a Grécia estava tendo problemas. Eu provoquei o taxista e perguntei: ‘você não acha que a Alemanha deveria ajudar a Grécia?’, provoquei o taxista. Ele respondeu: ‘se eu acho que eu vou ter que trabalhar até os 67 anos de idade para pagar a aposentadoria do grego que se aposenta com 60? Não. Eles vão ter que trabalhar um pouco mais também'".
A proposta de reforma, segundo Meirelles, "ainda não está definida". "A ideia é enviar a reforma da Previdência [ao Congresso] nas próximas semanas e esperamos que ela seja aprovada no correr do ano que vem, idealmente no primeiro semestre."
"É o que nós temos dito, mais importante do que a idade com que a pessoa vai se aposentar, se é mais alguns anos pra lá ou mais alguns anos pra cá, mais importante é a garantia de que todos vão receber a aposentadoria", repetiu o ministro. "E m alguns estados [brasileiros] já tem preocupação com a solvência das previdências estaduais. Em muitos países, a Previdência quebrou."

Ex vice presidente do PT é preso em flagrante por suposta fraude em programas sociais


Policiais civis da Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF) de João Pessoa prenderam em flagrante, na tarde desta quinta feira (29), o ex-vice-presidente do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores (PT) na Capital paraibana, Antonio Junior Ferreira Coelho, 39 anos, e a mulher dele,  Ana Claudia dos Santos Silva, 32 anos.
Eles são suspeitos de atuar na negociação fraudulenta de imóveis de programas sociais, como o Minha Casa Minha Vida, do Governo Federal, e de liderar uma associação criminosa com atuação em João Pessoa.
O casal começou a ser investigado depois do registro das ocorrências pelas vítimas na Delegacia de Defraudações e Falsificações.
Elas teriam denunciado as negociações criminosas de imóveis e informaram todo o esquema atribuído ao suspeito, Antônio Junior e a José Edson da Costa Urbano, preso em flagrante pela equipe do DDF em julho, a autoria dos crimes. As vítimas também teriam dito que sofreram ameaças de morte e perseguições.
O suspeito Edson Urbano continua recolhido no presídio do Roger. Na tarde dessa quarta-feira (28), foi realizada a primeira audiência dos processos.
Os agentes de investigação receberam a informação de que quando a audiência dele foi encerrada, Antônio Júnior ligou para duas vítimas, dando continuidade às ameaças e querendo marcar um encontro com elas, o que causou bastante preocupação a polícia e culminou com a prisão em flagrante do suspeito e da mulher dele Ana Claudia, também suspeita de integrar a associação criminosa.
Antônio Junior e a mulher foram presos em uma residência localizada no bairro de Jaguaribe na zona oeste da Capital. Junior e José Edson são suspeitos de liderar a associação criminosa especializada na negociação de imóveis de programas sociais.
Foto: Secom/PB
Foto: Secom/PB

Os suspeitos se apresentavam para as vítimas como funcionários da Prefeitura de João Pessoa e falavam ter acesso ao programa de financiamento. Assim eles pediam dinheiro às pessoas para dar sequência às negociações e depois que recebiam os valores desapareciam deixando as vítimas com os prejuízos”, disse o delegado da DDF , Lucas Sá.
As investigações mostraram que os suspeitos vinham atuando há pelo menos quatro anos na Capital. Os levantamentos também revelam que a dupla costumava portar armas de fogo alegando ser para proteção pessoal, mas também usavam para intimidar as vítimas e as testemunhas das negociações fraudulentas para que elas não denunciassem os crimes praticados por eles à Polícia Civil.
Uma dessas armas, um revólver calibre 38, foi apreendida com o casal no momento da prisão. Também foram encontradas seis munições intactas com Antônio Júnior, cinco munições na bolsa da suspeita Ana Claudia e um veículo registrado em nome de uma pessoa já falecida.
O casal foi autuado em flagrante pelos crimes de ameaça, porte ilegal de arma de fogo e associação criminosa. As investigações da Delegacia de Defraudações e Falsificações de João Pessoa serão direcionadas agora para a identificação de outros membros da associação criminosa e de outras vítimas dos suspeitos, para que o prejuízo causado por eles seja devidamente reparado.
Qualquer denúncia sobre o caso pode ser feitas para o telefone 197 Disque Denúncia da Secretaria da Segurança e da Defesa Social. Não precisa se identificar e todas as informações serão investigadas pela equipe da DDF.
Créditos: Secom PB

Crise hídrica e soluções para a chegada da transposição

 Por Senador Deca

A seca não é uma mera ameaça para o povo nordestino. Tem sido, ao longo de nossa história, uma certeza! Uma realidade cíclica secular, que resseca nossa capacidade de crescimento e esturrica nossos sonhos.

O atual ciclo de estiagem – que avança sem trégua para o quinto ano consecutivo – secou nossos pastos e lavouras. E, em muitas regiões, tem secado até nossos copos.

A única coisa que nos mantém de pé é a nossa fé.

E foi munido de boa dose de fervor que bati recentemente na porta do ministro Helder Barbalho, titular da Integração Nacional.

Ouvi dele boas novas. As obras do eixo leste, por exemplo, estarão fisicamente concluídas até dezembro.

Já o eixo norte anda mais lentamente. Problemas técnicos com a empreiteira Mendes Júnior colocaram um freio nas obras e obrigaram a abertura de nova concorrência para sua conclusão.

Só após o desfecho burocrático é que será retomada a construção do canal e da adutora de engate rápido.

Acompanhando toda aquela explanação dada pelo ministro, insisti na única pergunta que realmente importa aos paraibanos, especialmente os que convivem, na Borborema, com o sofrido cenário de colapso hídrico:

– Quando, afinal, teremos água nas torneiras de Campina Grande e região?

A resposta que ouvi é alentadora. Pelos cálculos do ministro, as águas da transposição estarão disponíveis a partir de março ou, mais tardar, em abril de 2017.

Além do desembaraço administrativo para construção de canal e adutora de engate rápido, temos ainda pela frente o saneamento das cidades.

Na Paraíba, as bacias receptoras passarão por 55 dos 170 municípios atendidos pela integração do São Francisco.

O trabalho é grande, o tempo é curto.

E estas obras precisam andar no mesmo ritmo – uma velocidade, claro, ditada pelo desembolso dos recursos federais.

Segundo o ministro, esta celeridade vem ocorrendo. Pelos seus cálculos, os repasses triplicaram em relação ao governo anterior. Mantendo o ritmo, Helder Barbalho acredita que as obras complementares estarão concluídas quando, enfim, a água chegar.

Teremos, a partir daí, concretizado o sonho de perenidade há tanto tempo adiado, permitindo um abastecimento seguro para uma população que, em 2025, estará na casa dos dois e meio milhões de habitantes.

Com o equacionamento da questão hídrica, além de matar a sede da população e dos animais, será possível o reordenamento econômico do setor produtivo paraibano.

Os pequenos produtores terão acesso garantido à oferta de água e com isso poderão incrementar a produção de alimentos e a produtividade de suas lavouras.

O benefício econômico – elevação do emprego e da renda – será inegável e virá atrelado às conquistas sociais que determinam a qualidade de vida e o bem-estar da população.

Novos empreendimentos que hoje sofrem restrições objetivas por demandarem acesso regular e abundante de água deverão surgir a partir da transposição.

E serão determinantes, certamente, para redesenhar a geografia econômica do Estado, inserindo a Paraíba num ansiado círculo virtuoso de crescimento da riqueza a ser compartilhada, democraticamente, por todos os cidadãos paraibanos.

Gente que, como eu, não desiste nunca desse sublime torrão.

E que se ampara na fé – agora renovada – para sobreviver a todas essas seculares provações.

Créditos: Senador Deca

Pesquisa 6 Sigma: Romero tem 50,6% e pode ganhar no primeiro Turno


Pesquisa 6 Sigma aponta Romero Rodrigues com 50,6% e Veneziano aparece com 18,6%


Pesquisa estimulada de intenções de votos para prefeito de Campina Grande, realizada pela empresa 6 Sigma, em parceria com o Sistema Correio de Comunicação, aponta o favoritismo do prefeito e candidato à reeleição pelo PSDB, Romero Rodrigues.

De acordo com a 6 Sigma, Romero Rodrigues lidera a disputa pela Prefeitura de Campina Grande, com 50,6% das intenções de voto. Em segundo lugar, aparece o candidato do PMDB, o ex-prefeito e deputado federal Veneziano Vital do Rêgo, com 18,6%.

Na terceira posição, segundo a pesquisa, está o deputado estadual e candidato a prefeito pelo PSB, Adriano Galdino, com 4,7% das intenções de voto.

Em quarto lugar, surge o empresário Artur Bolinha, candidato do PPS, com 3,6%. Na penúltima colocação, está o candidato do Psol, David Lobão, com 0,6%.

Por fim, no último lugar, aparece o candidato do PEN, o ex-deputado federal Walter Brito Neto, com 0,2%. Os votos brancos e nulos totalizam 7,5% e os eleitores indecisos chegam a 11,4%. Outros 2,3% não pretendem votar em nenhum dos seis candidatos e 0,2% não informou.

Segunda e última. A pesquisa 6 Sigma/Correio foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB) sob o número 03294/2016.

As entrevistas foram realizadas entre os dias 25 e 27 deste mês em 42 bairros e três distritos de Campina Grande, segundo maior colégio eleitoral da Paraíba, com 274.006 eleitores.

A 6 Sigma ouviu 1.100 eleitores nas zonas Norte, Sul, Leste e Oeste de Campina Grande e nos distritos de São José da Mata, Galante e Catolé de Boa Vista. A margem de erro da pesquisa é de 2,95 pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%.

Assim como ocorreu na consulta realizada na cidade João Pessoa, a pesquisa feita em Campina Grande, segundo o consultor da 6 Sigma, Pedro Cézar Coelho, teve um rigoroso sistema de controle interno, que ocorreu a partir do início da etapa de campo, onde os entrevistadores (que aplicaram os formulários) foram fiscalizados permanentemente por coordenadores devidamente treinados e capacitados.

“A verificação aleatória foi de 20% dos questionários aplicados in loco e também por telefone”, disse Pedro Cézar Coelho. Ele lembra quem na campanha eleitoral de 2012, a 6 Sigma acertou o resultado para prefeito de Campina Grande, com percentual de erro de apenas 0,5%.

Público alvo de 1.100 pessoas

De acordo com Pedro Cézar Coelho, as localidades onde os questionários foram aplicados abrangem todas as regiões de Campina Grande e foram escolhidas mediante o percentual populacional demográfico demonstrado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A 6 Sigma usou amostra probabilística com a finalidade de representar, da forma mais fiel, o público alvo da pesquisa, totalizando 1.100 pessoas entrevistadas.

Consulta mediu a rejeição

Na pesquisa realizada nos dias 25, 26 e 27, a 6 Sigma mediu o índice de rejeição dos candidatos a prefeito de Campina Grande. Dos seis postulantes, o maior índice de rejeição recai sobre o candidato Veneziano Vital do Rêgo: 29,8%. O segundo candidato mais rejeitado é exatamente o prefeito Romero Rodrigues, com 10,1%.

Depois, aparecem os candidatos Adriano Galdino (8,8%), Artur Bolinha (6,1%), David Lobão (5,6%) e Walter Brito Neto (3,4%). Dentre os 1.100 eleitores entrevistados em Campina Grande, pelo menos 17,6% responderam que rejeitam todos os candidatos. Isto é: os entrevistados não estão dispostos a votar em nenhum dos postulantes à Prefeitura.

Outros 18,6% não souberam responder à pergunta. A pesquisa 6 Sigma/Correio ouviu eleitores a partir de 16 anos, de ambos os sexos, sem estratificação por escolaridade e renda.

Créditos: portalcorreio

O prognóstico é de que em Campina e em João Pessoa a eleição deve ser decidida no primeiro turno

Por Nonato Guedes


A vitória do prefeito Romero Rodrigues (PSDB) à reeleição, em Campina Grande, sinalizada por pesquisas de intenção de voto, torna a fortalecer o cacife político do senador Cássio Cunha Lima, que desde a derrota ao governo em 2014 para Ricardo Coutinho luta para reconquistar espaços no cenário paraibano. Em João Pessoa, Cássio está com Luciano Cartaxo, que deve vencer, mas o reflexo de uma vitória de Luciano é bola dividida, já que outras forças integraram-se à postulação, como o PMDB de José Maranhão. Em Campina, há um confronto direto opondo Cássio ao grupo de Veneziano Vital do Rêgo, do PMDB.

Na estratégia para vitaminar as chances de reeleição de Romero, Cássio cometeu dois atos importantes: retirou o irmão, Ronaldo Cunha Lima Filho (Ronaldinho), atual vice, da chapa da reeleição, e articulou a inclusão do ex-prefeito Enivaldo Ribeiro como vice, com isto arregimentando o engajamento da deputada Daniella e do deputado Aguinaldo, além de segmentos residuais vinculados a Enivaldo Ribeiro. De certa forma, por deter o comando da máquina, apesar de discriminado pelo governo estadual e até pouco tempo sem maiores canais de interlocução no governo de Dilma Rousseff, Romero logrou promover melhorias em infraestrutura e outros investimentos de fôlego. Isto foi uma credencial, uma espécie de passaporte para reassegurar a candidatura em 2016. A unidade do esquema cassista em Campina Grande é reforçada pelo presidente do PSD, deputado federal Rômulo Gouveia, que experimenta de novo um sabor de revanche, diante da derrota sofrida para Veneziano em outros cotejos.

O governador Ricardo Coutinho movimentou-se em termos administrativos para dotar Campina Grande de algumas obras estratégicas e lançou como candidato a prefeito o deputado Adriano Galdino, do PSB, presidente da Assembleia Legislativa. Galdino ganhará pontos individualmente para outras empreitadas que deverá perseguir, já que Campina Grande é uma vitrine de peso para quem disputar votos no seu território. Mas o próprio “staff” ricardista colocou a candidatura de Adriano no plano da expectativa e da possibilidade dele operar como azarão. A consciência realista nunca alimentou triunfalismos a respeito. Em último caso, era de se apelar ao sortilégio do voto secreto, que apronta quando menos se espera. Posta a conjuntura nesses termos, polarizou-se a disputa entre Romero e Veneziano. Faltou um Vital do Rêgo no palanque para contrabalançar a influência que Cássio Cunha Lima exerce, ainda mais agregado aos Ribeiro. Veneziano está praticamente se cosendo com suas próprias linhas ou se cozinhando nas próprias banhas, tendo em vista que a cúpula do PMDB, representada pelo senador José Maranhão, não tem propriamente prestígio eleitoral na Rainha da Borborema. Vital está na função técnica de ministro do TCU, o que veda qualquer participação sua na catequese de votos em favor do irmão.

Há quem avalie que Veneziano cometeu um erro tático profundo ao insistir em se candidatar a prefeito de Campina Grande depois de ter sido prefeito duas vezes, ainda recentemente, e ter colecionado desgaste em virtude de denúncias formuladas contra ele por adversários políticos ou, então, por iniciativa de órgãos de investigação. O bom senso recomendava que Veneziano procurasse exercer com brilho o mandato de deputado federal, até porque com a ausência de Vital do Senado e da mãe, dona Nilda Gondim, da Câmara, ele era a esperança da família para se contrapor a Pedro Cunha Lima, deputado federal, e ao pai dele, Cássio, senador. Seja como for, os búzios foram jogados e não há mais o que fazer, salvo esperar o desfecho das urnas de domingo. Continua valendo o prognóstico de que em Campina como em João Pessoa a eleição municipal deve ser decidida no primeiro turno.

A questão que vai originar análises políticas, daí em diante, será o desdobramento da queda de braço entre as duas principais forças políticas atuantes em Campina Grande. O senador Cássio Cunha Lima ainda vai cortejar a possibilidade de voltar a disputar o governo? Veneziano, não eleito, será finalmente indicado candidato a governador pelo PMDB? Em 2014, ele ensaiou uma “candidatura natural” que não prosperou. Acabou cedendo vaga para o irmão, Vital, que entrou por honra da firma e por outras razões de interesse pessoal. O projeto de Vital foi executado a contento, porque até a derrota para governador estava nos seus cálculos. Veneziano tem um projeto inacabado, que se arrasta pelo meio do caminho – e a expectativa é saber o que pretende fazer se amargar o outro lado da moeda: a derrota em plena Campina Grande que já lhe consagrou prefeito em outros mandatos. A conferir!

Nonato Guedes


Fonte: Osguedes

Créditos: Nonato Guedes

Candidata paraibana é agredida em debate na Globo



O último debate na TV entre os candidatos a prefeito de São Paulo ocorreu na noite desta quinta-feira (29) nos estúdios da Rede Globo.

Líder das pesquisas eleitorais, o tucano João Doria pôs de lado o jeito de bom moço e tratou com grosseria a ex-prefeita Luiza Erundina.

Ao responder a uma pergunta sobre seus negócios, Dória disse que tinha uma trajetória “moderna, atual e transformadora”, em contraste com a rival octogenária.

Erundina rebateu: “Você diz que sou antiga, mas você é um velho. Você é tão velho quanto qualquer outro político velho deste país. Ser moderno é privatizar o cemitério?”, questionou a deputada.

Em seguida, Erundina criticou o discurso pregado por Doria em sua campanha de que não é político.

“Você faz política negando a política… isso é velho e deseduca os jovens”, disse Erundina, acrescentando que fazer política é algo muito positivo. “Quando você liderou o movimento Cansei, você não estava fazendo política?”, perguntou.

A candidata do PSOL recordou ainda a ação do Ministério Público Eleitoral, que pediu a impugnação da chapa de Doria por ter usado a máquina do governo Geraldo Alckmin (PSDB) para ganhar tempo de TV. “O Ministério Público está te processando por praticar a velha política”.

Haddad isolado

O atual prefeito Fernando Haddad (PT) foi deixado de lado pelos adversários no debate.

Com o segundo turno em aberto, os maiores rivais do petista na disputa, Celso Russomanno (PRB) e Marta Suplicy (PMDB), evitaram questioná-lo diretamente, mas criticaram sua gestão. Ambos optaram por dirigir suas perguntas para o líder nas pesquisas, João Doria (PSDB), e o nanico Major Olímpio (SDD).

O tucano, por sua vez, poupou os principais adversários e chegou até a fazer dobradinha com Marta Suplicy em diversos momentos, com perguntas amigáveis e troca de elogios de parte a parte.

Prévias de audiência apontavam que o debate marcou 24 pontos no Ibope, uma audiência alta para o horário.

Velocidade

Quando questionado por Erundina sobre suas propostas na área de mobilidade, Haddad fez questão de criticar todos os adversários que defendem o aumento da velocidade máxima nas vias de São Paulo.

“Estão colocando o interesse eleitoral à frente da saúde pública. A ONU recomenda a redução as velocidades”, diz. De acordo com ele, os rivais fazem “demagogia barata”.







Créditos: Pragmatismo político

Região Sul realiza votação para se separar do resto do país nesse sábado



Há muito tempo um grupo cada vez maior de pessoas vem discutindo a conveniência de separar o sul do país dos demais estados brasileiros.

Agora, com os escandalosos casos de corrupção que vêm acontecendo a partir de Brasília, este sentimento ganhou mais força e os partidários da separação partiram para uma iniciativa mais objetiva.

O movimento O Sul é o Meu País, que congrega separatistas do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, vai realizar um plebiscito, no qual os eleitores desses três estados dirão se querem ou não continuar na dependência de Brasília.

Chega de pagar a conta

Os separatistas não manifestam rancor com relação ao povo dos outros estados brasileiros, mas consideram que o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná pagam altíssimos impostos que vão para Brasília, e uma parcela mínima desse valor retorna em benefícios para a população que os paga.

O plebiscito não terá poder de decisão quanto à separação. Mas será uma grande oportunidade para que gaúchos, catarinenses e paranaenses mostrem a sua inconformidade quanto à espoliação que vêm sofrendo.

A partir desta ação, o movimento O Sul é o Meu País deverá ganhar maior impulso e os direitos dos estados do Sul (e mesmo o dos demais estados brasileiros) poderão ser mais respeitados.

O vale apoia

O Vale do Caí é a região que mais vem se destacando na organização do plebiscito. Em todos os municípios do vale (exceto São Vendelino) foram formados grupos de voluntários para realizar o plebiscito.

Com isso se tornou a região que maior apoio está dando ao movimento nos três estados, que totalizam 1.191 municípios.

O principal responsável por este sucesso é o caiense João Paulo Schuch, gerente da Papelaria Schuch de São Sebastião do Caí.

Não contente com o fato de haver organizado o movimento em 19 dos 20 municípios do vale, ele se dispôs a implantar seccionais do O Sul é Meu País em vários outros municípios do estado. Seu trabalho foi tão valorizado pelos líderes do movimento que ele foi chamado a Curitiba, onde recebeu homenagens. e foi considerado o melhor entre todos os coordenadores do movimento nos três estados.

Fonte: Fato Novo

29 de set de 2016

Pâmela posta depoimento sobre espancamento que teria sofrido na Granja Santana há um ano



A ex-primeira-dama Pâmela Bório postou, esta quinta-feira (dia 29), em redes sociais, um vídeo em que relembra o espancamento que teria sofrido, da parte de uma irmã do governador Ricardo Coutinho, dentro da Granja Santana. O episódio completou um ano no último dia 7 de setembro. “Eu fui agredida da forma mais cruel e covarde que eu poderia imaginar”, postou Pâmela.

O episódio foi registrado pelo programa Intrometidos (em webTV e YouTube) e registrado na mídia (mais em https://goo.gl/uSojBU). Conforme o relato de Pâmela, o governador teria, inclusive, acompanhado todas as agressões físicas patrocinadas contra ela, por sua irmã, através de uma câmera de vigilância, das várias instaladas na Granja Santana.

A denúncia foi rebatida pelo advogado Antônio Fábio Rocha, do governador Ricardo Coutinho, ao longo do programa Intrometidos.

Vídeo – Em seu vídeo, Pâmela detalhe que o episódio foi uma cilada contra ela: “Eu fui levada por policiais da Casa Civil, conduzida à residência oficial do Governo.”  E arremata: “Diante do amordaçamento da Imprensa e do silêncio e organizações que deveriam defender indiscriminadamente as mulheres vítimas de violências, muitas pessoas expressaram seu repúdio…”

pamela-bo-de-agressao


CONFIRA O VÍDEO, CLIQUE AQUI


TV Paraíba realiza nesta quinta o último debate com os principais candidatos a prefeitura de CG



Os principais candidatos à prefeitura de Campina Grande terão uma última oportunidade para se mostrarem como a melhor opção que governará, nos próximos quatro anos, os dois principais municípios do estado. Nesta quinta-feira (29), a TV Paraíba realiza o último debate no primeiro turno debate das Eleições 2016. A transmissão começa às 22h30, logo após a novela Velho Chico.

Seguindo a Lei 9.504/97, recentemente alterada pela Lei 13.165/2015, só foram convidados os filiados a partido político ou coligação com representação superior a nove parlamentares na Câmara dos Deputados.

Conforme o que foi previamente apresentado para os representantes dos candidatos, o debate contará com quatro blocos, sendo dois com temas determinados e dois para temas livres. O último bloco também será reservado para as considerações finais.

Em Campina Grande, o jornalista da Rede Bahia José Raimundo receberá na TV Paraíba os candidatos Artur Bolinha (PPS), Veneziano Vital do Rêgo (PMDB), Romero Rodrigues (PSDB) e Adriano Galdino (PSB).

Além da exibição na TV Paraíba, o confronto será transmitido em tempo real pelo portal G1Paraíba. Nas mídias sociais, os usuários da internet poderão interagir usando a #debateTVCaboBranco ou #debateTVParaíba. Caso haja segundo turno, um novo embate está marcado para o dia 28 de outubro.

Créditos: Polêmica Paraíba com G1

Justiça de SP aposenta desembargador que soltou traficante


O órgão especial do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ) decidiu pela aposentadoria compulsória do desembargador Otávio Henrique de Sousa Lima, 68, nesta quarta-feira (28). Sousa Lima, da 9ª Câmara Criminal, estava afastado de suas funções desde setembro de 2015, por ter mandado soltar aquele que é considerado o maior traficante de drogas do Estado.

A pena foi a máxima entre as opções de caráter administrativo com maioria expressiva dos votos dos 25 desembargadores do órgão especial –ele ainda pode ser demitido se for constatado crime pelo Ministério Público. Com a aposentadoria, ele seguirá, no entanto, recebendo os vencimentos do cargo, em torno de R$ 30 mil.

O desembargador tinha determinado a soltura de Welinton Xavier dos Santos, o "Capuava", preso no mês anterior em Santa Isabel (Grande SP), com 1,6 tonelada de cocaína pura, 898 quilos de produtos para a preparação da droga, cinco carros com fundo falso, quatro fuzis e uma pistola. Foram encontrados ainda 30 fornos micro-ondas usados para a secagem da droga, além de peneiras, bacias e panelas para fazer o refino.

Capuava é apontado como um dos líderes do tráfico na facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). À época, a Secretaria de Segurança Pública informou que as investigações do caso duraram quatro meses e que essa foi a maior apreensão de drogas de 2015 feita no Brasil até então.

O TJ estabeleceu a investigação para apurar a conduta de Sousa Lima em agosto de 2015, e constatou que ele já havia concedido habeas corpus a outros acusados de tráfico, também durante plantões.

Para o órgão especial, Sousa Lima tomou decisões favoráveis a acusados de tráfico de drogas durante plantões judiciais e em casos que não eram urgentes. Em ao menos um dos processos, Sousa Lima atuou fora de sua jurisdição.

Na decisão de afastamento temporário, no ano passado, o então presidente do tribunal, José Renato Nalini, tinha dito que era uma "extrema coincidência" o encaminhamento de diversos pedidos de liberdade de traficantes ao desembargador.

Os autos serão encaminhados para Procuradoria Geral da República –cabe recurso da decisão, que teria que ser feito no Superior Tribunal de Justiça. O Ministério Público analisará a ocorrência de crime na conduta do desembargador, que pode resultar na demissão e prisão de Sousa Lima.

A reportagem procurou a defesa do desembargador na tarde desta quarta, mas não obteve retorno. Em setembro de 2015, o advogado Marcial Herculino de Hollanda Filho alegou que Sousa Lima só soube de alguns fatos sobre Capuava por meio da imprensa, quando já tinha determinado a soltura do suspeito, que fugiu dias depois. 

PSOL recorre ao Supremo para barrar MP do ensino médio


O PSOL recorreu nessa quarta (28) ao Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender a medida provisória (MP) que reestrutura o ensino médio, editada na semana passada.

Na ação, o partido alega que a medida é inconstitucional e que não há urgência legislativa que justifique o tratamento do assunto por meio de uma MP. O caso será relatado pelo ministro Edson Fachin.

Para o partido, as mudanças desrespeitam o acesso à educação e dificulta a redução das desigualdades, “promovendo verdadeiro retrocesso social”.

“Dispor por medida provisória sobre tema tão complexo, que claramente não reclama urgência, é temerário e pouco democrático, por impor prazo extremamente exíguo para debate que já está ocorrendo nos meios educacionais e, sobretudo, no Congresso Nacional”, argumentou o partido.

Fonte: Terra

Palocci presta depoimento à Polícia Federal em Curitiba



O ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci presta depoimento na tarde de hoje (29) na sede da Polícia Federal (PF) em Curitiba. Ele foi preso temporariamente na última segunda-feira (26) durante a 35ª fase da Operação Lava Jato.

Segundo a PF, Palocci teria ligação com o comando da empreiteira Odebrecht, uma das principais do país. A operação investiga se o ex-ministro e outros envolvidos receberam dinheiro para beneficiar a construtora em contratos com o governo.

Ontem (28), o Banco Central bloqueou mais de R$ 814 mil em três contas bancárias de Palocci e mais de R$ 30 milhões da conta da empresa de consultoria do ex-ministro a pedido do juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Além de Palocci, a 35ª fase da Lava Jato também prendeu dois ex-assessores dele, Branislav Kontic e Juscelino Dourado. Kontic prestou depoimento à PF hoje de manhã, e Dourado foi ouvido ontem à tarde.

A prisão temporária dos três vence amanhã (30). Moro poderá, mediante solicitação da PF ou do Ministério Público Federal, prorrogar o tempo por mais cinco dias ou converter a medida para prisão preventiva (sem prazo definido para terminar).

Fonte: Terra

O autor para o carro e atira em todos. No ataque, vice foi ferido; candidato a prefeito e PM morreram baleados


Imagens mostram que ação durou cerca de dez segundos; criminoso morreu. No ataque, vice foi ferido; candidato a prefeito e PM morreram baleados.

O vídeo de uma câmera de segurança registrou o momento em que um atirador dispara contra o candidato a prefeitito de Itumbiara, Zé Gomes (PTB) e o vice-governador José Eliton (PSDB). Nas imagens, divulgadas nesta quinta-feira (29) pela Polícia Civil, é possível ver quando o criminoso se aproxima de carro da carreata onde estavam os políticos e atira contra o grupo(veja vídeo acima). O homem atingiu quatro pessoas e acabou morto por seguranças.

As imagens mostram que a ação durou cerca de 10 segundos. “Nesse intervalo de tempo o atirador desce do carro em que ele estava, começa a atirar contra a carreata e os seguranças revidam a agressão e o matam”, disse o delegado geral adjunto da Polícia Civil, Marcelo Aires Medeiros.
No vídeo é possível ver que o atirador, identificado pela Polícia Civil como Gilberto Ferreira do Amaral, servidor público da prefeitura, aguarda a passagem dos primeiros carros da carreata. Ao ver que o caminhão com os políticos se aproxima, o criminoso desce do veículo e começa a atirar contra o grupo.

“Foram dados 13 tiros. Sete deles atingiram o carro, dois o policial militar Vanilson [João Pereira], um o vice-governador, um o candidato a prefeito e um o advogado Célio Rezende”, disse o delegado.

O PM e o candidato Zé Gomes morreram. José Eliton e o advogado Célio Rezende sobreviveram e estão internados no Hospital de Urgências Governados Otávio Lage de Siqueira (Hugol), mas não correm risco de morte. O atirador foi baleado por seguranças e também morreu.

Atentado político
O secretário de Segurança Pública em exercício de Goiás, coronel Edson Costa, afirma que o atentado foi político. Segundo ele, “independente da motivação, essa definição não vai mudar”.

Ainda conforme o secretário, o tiroteio atentou contra direitos políticos. “A configuração e características do delito foram a perpetração contra direitos políticos e o processo eleitoral. Foi um ato contra a soberania, contra o estado de direito e ao direito político. O atirador descarregou a arma e tinha um carregador sobressalente. Se não fosse a ação pronta do cabo Vanilson e outros seguranças, a situação poderia ter sido pior.”, disse.




Créditos: g1
Inicio / Contatos: Facebook / 083-987052042 ou 981472340

Seguidores